Palestina

O jornalismo de guerra em HQs

Amigos,

Na última sexta-feira (24), Emerson Jambelli, ex-aluno da PUC-Campinas, voltou à faculdade para falar sobre o seu  Projeto Experimental “Duas guerras, dois livros”. Feito há dois anos, o estudo se trata de uma análise comparativa entre “O gosto da guerra”, de José Hamilton Ribeiro, e “Dias de inferno na Síria”, de Klester Cavalcanti. Mas e se, enquanto alguns escolhem o texto, a fotografia ou o vídeo para contar histórias de guerra, nós uníssemos a paixão pela profissão e pelo desenho

Imagine poder escolher entre relatos cheios de números e datas e relatos humanizados que contam a história do ponto de vista de pessoas comuns. Para completar, imagine poder contar com cenários e imagens daquela época nesses relatos humanizados. Imaginou? Pois é assim que você se sente quando está diante dos livros de Joe Sacco, jornalista que criou o chamado “jornalismo em quadrinhos”, uma outra maneira de informar.

Joe Sacco e a sua versão em HQ

Joe Sacco e a sua versão em HQ (Foto: divulgação)

Ele nasceu em Malta e vive nos EUA desde a adolescência. Sacco começou desenhando quadrinhos satíricos, mas logo percebeu que podia contar histórias de conflitos, como o que acontecia entre palestinos e israelenses no Oriente Médio. No começo, a principal barreira a ser quebrada pelo jornalista foi o preconceito dos vários editores que não encaravam com seriedade as grandes reportagens na linguagem das HQs. Hoje, a obra de Joe Sacco consegue ser mais convincente do que muita fotografia ou matéria de jornal.

(Foto: divulgação)

(Foto: divulgação)

Para Sacco, a linguagem dos quadrinhos permite que o leitor entenda todo o contexto dos acontecimentos. Inclusive, pessoas é o foco do jornalista, já que ele precisa investigá-las para que consiga dar voz os personagens afetados pela guerra. Por documentar o conflito entre Israel e Palestina e a guerra na Bósnia, Joe Sacco recebeu diversos prêmios. Entre eles estão o Prêmio Eisner e o American Book Award, pelas obras “Área de Segurança Gorazde” e “Palestina”, respectivamente.

(Foto: divulgação)

(Foto: divulgação)

Em seus livros, o autor conta a realidade, e não a ficção. Mostra vários aspectos dos lugares que visitou e retrata desde guerrilheiros até jovens que querem apenas um pouco de diversão. O próprio Joe Sacco é personagem de suas ilustrações, pois, como repórter, acredita que não pode se excluir do contexto. Ler Joe Sacco é não só uma nova experiência literária, mas também uma aula de história, ambas diferentes de qualquer coisa que você já tenha lido.

Em 2011, o jornalista veio ao Brasil e participou da Feira Literária Internacional de Paraty (Flip), no Rio de Janeiro. Assista a entrevista que ele concedeu ao SaraivaConteúdo, no “Especial FLIP” do canal no YouTube:

 

BOA LEITURA!!! 😉

Anúncios