Gay Talese

Tudo vale por uma boa história?

Amigos,

Hoje proponho uma reflexão sobre uma situação que pode acontecer com qualquer jornalista. Uma situação que coloca em jogo a ética, a reputação e a moral do profissional.

Vamos a uma hipótese:

Uma pessoa (neste caso a fonte) entra em contato com você para contar uma história. Ela confessa que está envolvida em um ato ilícito (muito ou pouco grave, porém ilegal) e pede que você escreva sobre isso. Mas há uma condição: enquanto você, como jornalista, realiza a documentação do fato com investigação, entrevista ou fotos, nada pode ser publicado até que a fonte permita.

Opção 1: você aceita a proposta

Opção 3: você não aceita a proposta e fica na sua

Opção 4: você não aceita a proposta e denuncia a fonte

Um agravante: durante esse processo, você acompanharia o informante durante o ato ilícito que ele comete e, como concordou em manter sigilo, de certa forma se transformaria em um cúmplice por omissão.

O que você faria?

Talvez buscar um exemplo nos jornalistas mais experientes seria uma boa ideia. Mas e se isso tivesse acontecido de verdade com um profissional, que escolheu ficar calado durante anos pelo bem de uma boa história?

No dia 11 deste mês, a versão eletrônica da revista The New Yorker publicou uma matéria sobre a história de um homem chamado Gerald Foos que comprou um motel em Denver, Colorado nos anos 60 e elaborou um sistema secreto para espiar hóspedes, principalmente suas atividades sexuais. Por décadas, ele ficou à espreita, olhando, analisando e escrevendo cada movimento e atividade de quem estava nos quartos.

A matéria leva a assinatura de Gay Talese.

Sim! O pai do novo jornalismo.

motel

O Manor House Motel, cujo proprietário manteve, secretamente, a prática de voyeurismo durante 25 anos (Foto: Reprodução Amazon)

Talese conta que recebeu uma carta em que Foos explicava ter um material interessante, que poderia contribuir ao trabalho que vinha desenvolvendo no livro A Mulher do Próximo, um retrato da sexualidade norte-americana nas décadas de 60 e 70.

Nos dias que se seguiram, ele afirma ter refletido muito sobre a história do homem que violava, em segredo, a privacidade sexual de desconhecidos. Por fim, ele aceitou a proposta justificando que ele próprio havia utilizado métodos semelhantes em seus trabalhos. A maioria dos jornalistas são voyers incansáveis que vêem as verrugas no mundo, as imperfeições de pessoas e lugares”, explica na matéria.

Foos manteve a prática até vender o motel em 1995 e só em 2013 o jornalista recebeu a autorização para divulgar a história, 33 anos depois de conhecer o fato.

Mais: vindo de Gay Talese, não é uma surpresa o fato de que um livro sobre o caso será lançado, ainda neste ano.

E então, o jornalismo é um vale-tudo?

Mudando de assunto. O aluno Thiago Carrico, do matutino, recomendou um site para os cinéfilos. No MemoCine estão disponibilizadas algumas películas do século passado, além de documentários, curtas e séries. Nem só na Netflix podemos nos perder com tantos títulos 🙂

 

Perfil biográfico X Biografia

Amigos,

Vocês gostam de histórias? Há inúmeras maneiras de escrevê-las, mas vocês imaginam alguma sem personagens? Não, certo? Nenhuma história pode existir sem personagem. As formas de apresentar e caracterizar os protagonistas também são variadas, mas hoje falaremos sobre duas delas: o perfil biográfico e a biografia. Normalmente, esse tipo de texto cativa a maioria dos leitores porque, por meio dele, é possível descobrir informações curiosíssimas sobre a vida das pessoas. Apesar de muitas obras biográficas poderem ser comparadas a romances, de tão incomum e interessante que possa ter sido a vida do personagem, o gênero biográfico trata de narrativas não ficcionais.

Como vocês sabem, a polêmica sobre as biografias voltou a ser debatida no ano passado, quando a Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 393/11, a chamada Lei das Biografias, que modifica o Código Civil e libera a publicação de “imagens, escritos e informações” biográficas de personalidades públicas, sem necessidade de autorização. Como diria o jornalista e escritor Ruy Castro, “O biografado dos sonhos precisa ser… filho único, órfão, solteirão, estéril e brocha – única maneira de o biógrafo ficar a salvo de encrencas”.

Ruy Catro conversou com muitas pessoas próximas de seu biografado, Garrincha. Citou todos se seção "Agradecimentos", mas não escapou de um processo (Foto: Divulgação)

Ruy Catro conversou com muitas pessoas próximas de seu biografado Garrincha e, mesmo tendo citado todos em “Agradecimentos”, não escapou de um processo (Foto: Divulgação)

Mas o perfil biográfico e a biografia são a mesma coisa?

Não. Ambos são narrativas sobre uma pessoa, com descrições, histórias de vida e relatos. Porém, há diferenças. Sérgio Vilas Boas, no livro “Perfis – e como escrevê-los” , diz que, enquanto nas biografias os autores têm que abordar os detalhes da história do biografado, nos perfis podem focalizar apenas alguns momentos da vida da pessoa. É uma narrativa curta tanto no tamanho do texto quanto no tempo de validade de algumas informações e interpretações do repórter. Já a biografia é um trabalho de pesquisa, que geralmente exige do biógrafo dedicação e pesquisa detalhista sobre a vida e a obra da personagem biografada.

Outra diferença é que o perfil é preferencialmente sobre vivos e a biografia é escrita, na maioria das vezes, sobre personagens que já morreram. Além disso, no processo de apuração e escrita de perfis, a relação entre o escritor e o perfilado é fundamental. O repórter precisa tornar-se íntimo. Deve-se levar em conta a importância, a essência, o momento, as opiniões e os episódios da vida do perfilado e também as percepções do próprio escritor que o acompanhou.

Gay Talese, estilo próprio nas roupas e na escrita

Gay Talese, estilo próprio nas roupas e na escrita

Gay Talese, por exemplo, é famoso por escrever perfis marcantes. O “Frank Sinatra está resfriado”, publicado em 1966 na revista “Esquire” e também presente em “Fama e Anonimato”, foi escrito sem o jornalista fazer uma entrevista sequer com o perfilado. Apesar de Talese não conseguir falar com Sinatra, ouviu dezenas de pessoas ligadas ao cantor e, através de depoimentos e observações, criou um perfil inédito do famoso. Em 2003, a “Esquire” republicou o perfil por considerá-lo o melhor da revista em 70 anos. Leia aqui o texto em português.

Edição de abril de 1966 da revista Esquire

Edição de abril de 1966 da revista Esquire

“Histórias bem escritas sempre terão leitores”, garante Talese. Veja a entrevista concedida à “TV Folha” em 2012:

 

Portanto, se você tem dificuldades na hora de escrever um perfil, isso é absolutamente normal. O processo de escrita foi doloroso até pra Talese. Em uma das passagens de “Vida de Escritor”, ele define escrever como “dirigir um caminhão à noite sem farol, perder o caminho e passar uma década em um buraco”. Inclusive, muitas de suas reportagens acabaram não conseguindo espaço em jornais e revistas por causa do grande tempo de apuração e finalização. Por isso são mais de dez livros publicados.  Ao contrário de outros autores do jornalismo literário, Talese não escreveu livros de ficção.

 

-> DICA DE LIVRO 😉

6374_1_20140801150221PERFIS: O MUNDO DOS OUTROS (Editora Manole, 2014) – “Perfis: o Mundo dos Outros”, do jornalista Sergio Vilas-Boas, reúne 22 perfis e um ensaio sobre o gênero perfil, publicados por próprio jornalista entre 1999 e 2014, em jornais, revistas e sites. Dentre os nomes, Jayme Sirotsky (empresário), Mara Salles (chef do restaurante Tordesilhas), Jaqueline Ortolan (comandante de jatos da TAM) e o ornitólogo Johan Dalgas Frisch. Entre os famosos, o ex-jogador Tostão, os escritores Paul Auster, João Ubaldo Ribeiro, Lya Luft, Gabriel García Márquez, entre outros. O livro se destina a estudantes de jornalismo e também ao público em geral interessados nos perfis apresentados.

 

BOA LEITURA!!! 🙂