Mês: março 2012

Personagens

Um texto cheio de personagens. Muitas histórias para serem contadas. Nada melhor do que uma leitura empolgante para o dia de hoje.  O texto publicado na revista Piauí desde mês, foi escrito pela Daniela Pinheiro e nos traz histórias de tirar o fôlego.

Passava das nove de uma noite de fevereiro quando o carro oficial parou em frente ao elevador na garagem de um prédio residencial na Asa Sul de Brasília. Um segurança armado, de colete à prova de balas, surgiu e pegou envelopes, pastas e papéis das mãos do motorista e abriu a porta. A ministra Eliana Calmon Alves, corregedora nacional de Justiça, atendia a uma ligação no celular. “Gilmar, meu querido! Sim, estou superaliviada. Fiquei vendo o julgamento pela tevê, sozinha em casa, numa angústia louca. Graças a Deus acabou”, disse ela com uma voz aguda que reverberou pelo subsolo. “Vocês foram fantásticos! E a Rosa Weber, hein? Estou gostando de ver!”

Boa Leitura!

Anúncios

Avisos

Bom Dia!

A professora Cyntia pediu para avisar os alunos do Noturno que a aula de reposição será no H1 SALA 801, as 18hrs.

Uma dica muito interessante, e que vale a pena, é a Escola de comunicação –  Comunique-se . Eles oferecem cursos online em diversas áreas do jornalismo e da comunicação em geral. Os cursos são Online ou Presenciais. Eu fiz um curso online neste site ano passado sobre Jornalismo Feminino, e na sala haviam apenas 5 pessoas, foi praticamente uma aula particular. Fiquem sempre de olho na agenda do site!

Ana Carolina

Um velho conhecido

No post de hoje, temos um velho conhecido daqui do blog, o jornalista Christian Carvalho Cruz, do Estado de São Paulo.  Nesta matéria ele comenta sobre Bala de Borracha.

“No mês passado, durante a greve da PM em Salvador, levei um tiro de bala de borracha na cara. O soldado do Exército que disparou estava a 2 metros de mim. A força da pancada me jogou no chão, de onde levantei humilhado e com o rosto inchado, esfolado. A dor, que não é imediata, beira o insuportável nas horas seguintes. Ainda tomo analgésicos e não consigo abrir a boca completamente”

Perfil

Boa tarde a todos,

para “recomeçar” com o blog neste ano, sugiro a leitura de um Perfil.  O texto da Francesca Angiolillo foi publicado no caderno Ilustríssima da Folha de São Paulo em janeiro.

Bom Divertimento!

“Todas as perguntas possíveis já me foram feitas”, diz Umberto Eco, após terminar o café, afundado numa poltrona da sala de visitas de sua casa, em Milão. A cigarrilha apagada, hábito de ex-fumante, pende de um lado da boca. “Só não me perguntam, sei lá, quais são os sete anões. Eu responderia que, quando tento me lembrar, sempre são seis.”